Ouça a Rádio Verdes Florestas

/
Nossa Senhora do Perpétuo Socorro – Feijó (AC)

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro – Feijó (AC)

Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro atualmente com 7 comunidades e a igreja matriz.

O primeiro sacerdote a percorrer o solo feijoense foi o Pe. Gaetano Giordano (Congregação do Espírito Santo) que chegou à Feijó em 1909. Logo após, em 1923 chega à cidade o Pe. Manoel Dias. Monsenhor Miguel Barrat permaneceu na Paróquia pelo período de um ano (1929 a 1930). Nessa época o prédio da Igreja era de madeira, com apenas 10 metros de comprimento.

No ano de 1939 chega a o Pe. Guilherme Küster, que se torna pároco por 36 anos. No decorrer destes, veio para auxiliá-lo o Pe. Edson Dantas, cruzeirense, e o Pe. Renato Moura. O último destacou-se por seu espírito inovador e suas pregações tocantes. Nesse período foi construída a primeira igreja de alvenaria onde ainda permanece de pé sua torre original utilizando ainda os mesmos sinos, trazidos pelo Pe. Guilherme. Nesse período foi construído também o antigo salão paroquial. No período de 1975 à 1979 o Ir. Alberto Urban, enfermeiro, se destacou por seu trabalho na saúde atendendo de maneira especial a população de baixa renda e foi um ótimo catequizador dos índios. Foi ordenado padre diocesano em Feijó e continuou seu trabalho de evangelização no município. Construiu a Capela Maria da Liberdade.

De 1980 a 1982 assume a paróquia o Pe. Frederico Siegers acompanhado do Pe. Sérgio Castriani, Bispo Emérito da Arquidiocese de Manaus. Nesse período, o prédio da igreja passa por uma reforma e ampliação e foi construída a antiga casa paroquial.

De 1982 a 1985 Pe. Dionísio Sebold, torna-se o pároco, seguido dos padres missionários alemães, Pe. Dietmar Kremer e Pe. Claus Braun, que ficaram de 1986 a 1991. Se destacaram pelo apoio dado às comunidades rurais. Construíram as Capelas de São Francisco e São Cristóvão e a atual Casa Paroquial.

Houve um período que a paróquia ficou sem padres, mas as Irmãs de Nossa Senhora juntamente com os leigos ficaram à frente da ação pastoral desenvolvendo os trabalhos religiosos e sociais. Em épocas solenes contávamos com a presença de padres de outras paróquias, ficando alguns meses conosco o Padre Elair, em 1992.

Após um período de 04 anos sem padre, o bispo D. Luís Herbest designou para a cidade de Feijó o Pe. Valmir Figueiredo, de 1995 a 2002. Este tentou mudar a mentalidade das pessoas procurando reeducá-las e transformá-las em seguidores de Cristo. Prolongou as missas para duas horas; implantou a oração das mulheres, dos homens e dos jovens; realizou vários retiros, dias de orações e reflexões. Construiu a capela da Santíssima Trindade, o novo Salão Paroquial e ampliou a igreja matriz. Permaneceu até 2002.

No mesmo ano assume nossa paróquia o Pe. Nonato Xavier, diocesano, amazonense nascido em Eirunepé. Destacou-se pela coragem de construir a nova igreja matriz, visto que a antiga estava correndo o risco de desabar. Realizou a obra com o apoio dos paroquianos. Por ter um carinho especial pelas famílias, implantou o Encontro de Casais com Cristo (ECC). Reformou as capelas de São Francisco e da Santíssima Trindade. Foi seguido pelo Pe. Cristiano Tavares que infelizmente podia ficar somente por mais um ano quando foi eleito para coordenador da Pastoral diocesano.

Tivemos ainda na Paróquia de Feijó os padres: Pe. Francisco, Pe. Néris, Pe. Marcone, Pe. Ananias, Pe. Joaquim, Pe. Everaldo, Pe. Márcio, Pe. Wagner, Pe. Benedito Ferreira e Pe. Nilson.

Em janeiro de 2021 os Missionários Redentoristas assumiram a Paróquia. O primeiro Pároco da Congregação foi o Pe. Sandro Duda, C.Ss.R. seguido da comunidade composta pelo Pe. Benedito Chaves, C.Ss.R., Pe. Kennedy Cardoso,C.Ss.R e Irmão Andrey Wildson, C.Ss.R.. Em dezembro de 2021 o Pe. Luís Damasceno,C.Ss.R. assume a Paróquia ficando até janeiro de 2024, depois assume o Pe. Leonilson Brandão, C.Ss.R..

Compartilhar: