Ouça a Rádio Verdes Florestas

/
/
CONGREGAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO

CONGREGAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO

Compartilhar:

 

Onde tudo começou:

Des Places após sua ordenação como sacerdote

Os Espiritanos têm como sua origem a data de 27 de maio de 1703, festa de Pentecostes, na igreja de Saint-Étienne-des-Grès, em Paris, quando Claude-François Poullart Des Places e seus doze companheiros consagram-se ao Espírito Santo sob a protecção da Virgem Maria com o fim de se comprometerem ao serviço dos pobres. Poullart Des Places foi ordenado sacerdote em 17 de dezembro de 1707, e faleceu em 2 de outubro de 17009, com trinta anos de idade. No Seminário do Espírito Santo havia então 72 estudantes. São estes os primeiros Espiritanos no sentido lato, isto é, “saídos do Seminário do Espírito Santo”.

Ao Brasil, os Espiritanos chegaram no século XX, sendo atualmente responsáveis pela Prelazia de Tefé (Atualmente Diocese de Cruzeiro do Sul).

Chegada no Brasil:

Foi no ano de 1917 que o Pe. Donnadieu se instalou no povoado de Cruzeiro do Sul na margem do Rio Juruá para ficar – porém, ele não foi o primeiro Espiritano que passou por aqui, mas aquele que deu continuação e estruturação.

A história da presença dos Padres Espiritanos começou, para assim dizer, no dia 01 de dezembro de 1885 às 10h quando tinham chegado em Belém sete Padres Espiritanos, todos eles franceses, com o vapor inglês “Paraense”.

Dom Antônio Macedo da Costa, Bispo de Belém do Pará tinha pedido os Espiritanos assumirem a direção do Seminário Menor “Nossa Senhora do Carmo”, em Belém. Nos anos 1886 – 1888 vieram mais cinco irmãos, um escolástico e quatro padres para fazer pastoral na redondeza e ajudar na catequese, confissão e cantoria.

Depois de alguns desentendimentos com o Bispo, em 1897, a Congregação deixou os trabalhos do Seminário de Belém e começou a trabalhar no meio de índios e seringueiros na região de Tefé na boca do Rio Juruá e no Rio Juruá. De 17 de outubro de 1897 a 21 de abril de 1898, realizou-se a primeira viagem missionária do Pe. Parissier até o Rio Teijo na divisa entre Brasil e Peru. No dia 09 de novembro de 1911, o Pe. Tastevin visitou Cruzeiro do Sul, outra vez em 1913, e em 1914 passou pela primeira vez o Pe. Donnadieu em viagem missionária, para instalar-se definitivamente em 1917.

Era o tempo da I Guerra Mundial, os Espiritanos se encontraram diante de uma missão quase impossível num território de 140.000 km² com mais de 10.000 km de rios grandes e pequenos e sem estradas onde estavam instalados e espalhados mais que cerca de 20.000 seringueiros com suas famílias. Viagens intermináveis para os missionários, nunca bastante tempo para uma catequização profunda para um povo sedento de Deus.

A estrutura da Prelazia “nullius” do Alto Juruá se desenvolveu assim: Depois da I Guerra Mundial realizou-se o Capítulo Geral da Congregação 1919 em Paris, a província da Alemanha assumiu o campo missionário no Brasil. Depois de várias inferências políticas até ao mais alto nível de Igreja e estado, houve um acordo, e em 22 de maio de 1931 se realizou a ereção da “Prelazia Nullius” com sede em Cruzeiro do Sul, e Monsenhor Barrat como seu administrador apostólico.

Em 1935, Pe. Henrique Ritter foi nomeado Prelado “nullius” do Alto Juruá. Dom Henrique chegou em Cruzeiro do Sul em abril do ano seguinte. Nos anos de 1929 – 1938 conseguiram sair da Alemanha 14 padres e 04 irmãos alemães, logo a partir do início da II Guerra Mundial, todos os contatos foram interrompidos, o trabalho muito limitado, todos tinham que viver sem recursos e informações do exterior e muitas vezes suspeitados e hostilizados no interior.

Foi uma vida altamente sofrida, mas de máxima doação de verdadeiros Espiritanos no verdadeiro “Inferno verde”. Em 1945, três Espiritanos brasileiros foram ordenados, dos quais o Pe. Edson Dantas ficou como pároco de Mâncio Lima até o final da sua vida.

Por causa da II Guerra, os padres alemães foram impedidos de saírem das sedes das paróquias, por isso Dom Henrique tinha que assumir sozinho a pastoral ao longo dos rios Juruá e seus afluentes, totalmente esgotado faleceu durante o Congresso Eucarístico em Manaus no dia 20 de julho de 1942.

O seu Vigário capitular, Pe. Henrique Klein, foi nomeado Bispo prelado até 1947, quando faleceu. Depois, Pe. José Hascher foi nomeado Prelado “nullius” no seu lugar. O grande empenho dele visava a catequese e a formação de leigos e comunidades no interior com a ajuda de Irmãs Dominicanas. Somente depois da II Guerra, podiam chegar novos confrades alemães, 23 padres e 03 irmãos, os pioneiros que tinham aguentado a II Guerra Mundial, podiam finalmente fazer férias e tirar tratamento na terra natal; somente poucos ficaram lá por causa de saúde e faleceram por lá. Naquele tempo, todas as doze paróquias da Diocese foram atendidas pelos padres Espiritanos, com: catequese, pastoral de corpo e de alma, com suas desobrigas perigosas, cansativas e prolongadas entre seringueiros, índios e colonos nos projetos de assentamento dirigido.

Comunidade Espiritana de Cruzeiro do Sul, em 1965, do lado esquerdo: Ir. Ansgar, Ir. Marcos (Marquard), Pe. Pohlen, Pe. Frederico, Dom José, Pe. Carlos Kunz, Ir. José, Pe. Egon Engel, Ir. Scheng (Eulogius Braun), Pe. Matias Leven (foto tirada na frente da antiga residência dos Espiritanos).

Não devemos esquecer as obras sociais e assistenciais, lembramos entre outras: o Pe. Hospel em Eirunepé com formação de especialistas de construção de barcos no estaleiro, olaria e escolas profissionalizantes, de assistência médica e técnica; pelo Pe. Teodoro Ferfers em Envira, de escolas primárias e secundárias; pelo Pe. Matias Leven em Tarauacá, de todos os tipos de mecânicos; pelos irmãos Ansgar e Marquard, de carpintaria; pelo irmão Eulogius, de horticultura; pelo Pe. Teodoro Arnds em Feijó; e na construção da nova Catedral N. Sra. Da Glória gerando sustento para mais que 60 famílias. E ainda hoje conseguem sustentar suas famílias nestas profissões que aprenderam com os Espiritanos.

No dia 02 de fevereiro de 1967, Dom José resignou e faleceu em 08 de maio de 1973. Seu sucessor Pe. Henrique Rüth já foi nomeado e sagrado Bispo em 1966. Ele trabalhou incansavelmente para terminar a construção da nova Catedral, na construção de orfanato, do leprosário, da casa dos vicentinos, dos seminários Menor e Maior, da Rádio Verdes Florestas, do centro de formação de leigos, na busca de ajuda por religiosas e religiosos (irmãs Franciscanas de Thuine e de Kansas City, de Nossa Senhora, da Divina Providência, do Sagrado Rosário, de irmãos Maristas, freis Capuchinhos, padres seculares ‘Donum Fidei’) em todas as paróquias da prelazia e depois diocese de construção de casas paroquiais, capelas e igrejas.

No dia 7 de agosto de 1979, o Pe. Luís Herbst foi nomeado Bispo coadjutor com direito de sucessão da prelazia do Alto Juruá. Quando o Vaticano levantou a Prelazia para a Diocese de Cruzeiro do Sul, em 25 de junho de 1987, Dom Luís continuou como coadjutor.

Na aposentadoria de Dom Henrique no ano seguinte, Dom Luís tornou-se o segundo Bispo de Cruzeiro do Sul e assumiu a liderança da diocese no dia 7 de dezembro de 1988. Em 27 de maio de 1998, o Pe. Mosé João Pontelo foi nomeado Bispo coadjutor da Diocese e sucedeu ao Dom Luís no mesmo dia da sua renúncia, 7 de janeiro de 2001.

De 1981 até 2007, os Pes. Germano, Frederico, Heriberto, Michael, Orlando e Udson assumiram a formação de padres autóctones no seminário Menor e Maior da diocese que agora tem padres suficientes para todas as paróquias e até para a formação de seu clero na filosofia e teologia.

Atualmente os Espiritanos atendem ainda as paróquias de Nossa Senhora Aparecida em Cruzeiro do Sul e São José em Tarauacá com Jordão.

Os membros do grupo continuam as obras sociais de seus antepassados numa forma modernizada: Cinco creches fundadas pelo Pe. Frederico em Cruzeiro do Sul; as clínicas odontológicas oftalmológicas fundadas pelo Pe. Heriberto que funcionaram de 1991 até 2000; pela fundação “Menino Jesus de Nazaré”, fundada em  01 de janeiro de 2003; atendem dependentes de drogas na “Fazenda Masculina da Esperança Dom Luis Herbst“ em Mâncio Lima, fundada em 12 de dezembro de 2010; e no ano de 2017 foi fundada a “Fazenda Feminina Maria Madalena“ em Cruzeiro do Sul. Em 30 de maio de 2014 foi fundado o grupo de Leigos Espiritanos Associados.

 

Lista das Construções Efetuadas por Bispos, Padres e Irmãos Espiritanos na Diocese de Cruzeiro Do Sul

  • No Acre:

Cruzeiro do Sul: Catedral N. Sra. Da Glória (antiga e nova); Vicentinos; Leprosário; Cúria; Escola São José; Instituto Santa Teresinha; Convento das Irmãs Franciscanas; Seminário Menor (Centro de espiritualidade); Seminário Maior; Centro de Formação; Rádio Verdes Florestas; Galeria dos Padres; Casa Distrital; Clínica Santa Maria; Policlínica; Igrejas Paroquiais: N. Sra. Do Rosário; Igreja Santa Teresinha; 05 Centros Sociais; Capelas nos bairros: N. Sra. De Fátima e mais de 30 outras.

Feijó: Igreja Paroquial; Casa das Irmãs; Casa Paroquial; Capelas nos bairros. 

Mâncio Lima: Igreja Paroquial; Colégio e Casa das Irmãs; Casa Paroquial; Capelas nos bairros.

Porto Walter: Igreja Paroquial; Colégio e Casa das Irmãs; Casa Paroquial; Centro de Formação (antigo Seminário Menor); Capelas nos bairros e no Interior. 

Rodrigues Alves: Igreja Paroquial; Colégio e Casa das Irmãs; Casa Paroquial; Casa Médeor; Centro de Formação; mais que 30 Capelas nos bairros e no interior.

Tarauacá: Igrejas Paroquiais; Colégio e Casa das Irmãs; Casa Paroquial; Vicentinos; Centro de Formação; Capelas nos bairros e no interior.

  • No Amazonas:

Guajará: Igreja Paroquial; Casa das irmãs; Casa Paroquial; Centro de Formação; Capelas nos bairros e no interior.

Ipixuna: Igreja Paroquial; Casa das Irmãs; Casa Paroquial; Capelas nos bairros e no interior.

Eirunepé: Igreja Paroquial; Casa das Irmãs; Casa Paroquial; Centro de Formação; Igrejas e Capelas nos bairros e no interior. 

Envira: Igreja Paroquial; Casa das Irmãs; Casa Paroquial; Centro de Formação; Capelas nos bairros e no interior.

 

 

Arquivo pessoal – Congregação do Espírito Santo
Diocese de Cruzeiro do Sul